VOLTAR

,

12.10.2016

Postado por Letícia Carolinne

Tranquilidade

Venezuela 0x2 Brasil – Eliminatórias para a Copa da Rússia 2018

Lucas Figueiredo/CBF

Lucas Figueiredo/CBF

Vamos conhecendo uma cara nova com Tite no comando. Uma seleção que gosta de ter o comando da bola, que marca em cima e domina a partida. Uma seleção que volta com passos lentos a ter o carinho do brasileiro. Que começa a ganhar “cara” e surpreende aos jornalistas do país tamanha foi a mudança desde a chegada do nosso novo treinador.

Obviamente, há muitos passos a serem dados. Muita água para rolar e muitas expectativas criadas podem cair por terra, tais como muitas outras serão levantadas.

Lucas Figueiredo/CBF

Lucas Figueiredo/CBF

Toda a expectativa passada a Tite não foi por esses resultados, mas sim pela sequência de seus bons trabalhos, principalmente no Corinthians. Recentemente Campeão Brasileiro, é um treinador com características defensivas expressivas além de exímio estudioso e bastante paciente. Percebe-se nesse Brasil de 2016 e no Corinthians de 2015 jogadores que retêm a bola e pacientemente buscam o ataque. Sem exaustão, pressão ou desespero. Uma equipe calculista, fria e certeira. Bacana de se assistir vindo de uma seleção tão questionada e que passou por tantas e tantas tribulações no passado recente.

Foi mais um jogo tranquilo, sem grandes ameaças da equipe Venezuelana. O Brasil fez o seu papel, marcou um gol (um belo gol) no primeiro tempo e controlou durante o resto da partida, tendo como consequência além do segundo gol, o impacto que a vitória causou: chegamos à liderança bem e retomando algum respeito. Uma vitória que sopra pra longe a tal “Neymardepedência” e deixa claro que: Neymar soma, mas não é o principal fator.

Lucas Figueiredo/CBF

Lucas Figueiredo/CBF

É visível que existem outros bons jogadores Europa e agora Ásia afora. Perdemos o fator de sermos criadores de craques, mas não de grandes protagonistas. Cito Gabriel Jesus, que marcou um lindo gol e mostra crescimento desde o ano passado.

Repito: não estamos preparados para uma Copa. Não devemos nos iludir e acreditar que está tudo certo. O começo é animador e melhor do que esperávamos, entretanto, o caminho é árduo, longo e cheio de pedras. Mas acredito que estamos bem representados no banco de reservas e isso refletiu no futebol do Brasil a curto prazo, o que nos empolga para um futuro. Nos resta a animadora torcida para que continuemos a caminhar subindo sempre!

 

Ler mais da Letícia Carolinne

Ler mais da Seleção Brasileira

A Bola que Pariu