VOLTAR

,

28.03.2017

Postado por Jéssica Loures

E se eu te contasse que o Zago não tem tanto poder assim?

São José 1×2 Internacional – Campeonato Gaúcho 2017

A minha paciência com técnicos errantes é mínima. Com técnicos insistentes em esquemas e jogadores que não dão certo então, é quase invisível. No jogo de ontem, contra o São José, ficou mais claro que a luz do dia que Antônio Carlos Zago não pode comandar o time do Internacional. Não é somente porque ele escala errado ou foge do óbvio. É porque ele não tem tanto poder de decisão quanto imaginamos.

O caso do Nico López é algo típico no futebol. Jogador que se destaca no grupo e acaba sendo escanteado para dar lugar aos bruxos do treinador. É inadmissível que um atacante do nível de Nico seja deixado de lado para que Roberson, Andrigo, Ferrareis e outros que em nada acrescentam recebam chances e mais chances sem nenhuma justificativa válida. Nesse caso, a preferência de escalar ou não escalar, é do treinador.

Ricardo Duarte/SCI

Ricardo Duarte/SCI

Mas, vejamos o caso do Paulão. Achávamos que ele perderia espaço após a chegada de Cuesta. Mas não, Zago chegou a tirar Léo Ortiz para escalar o zagueiro mais errante do elenco. Será que o treinador perderia mesmo a oportunidade de escalar os dois melhores zagueiros juntos? Acho que não.

Nada justifica a titularidade de Paulão, nem Nico no banco, nem Cuesta na lateral, nem todas as invenções que temos visto em campo. Paciência tem limite e tempo para treinador também. Mas se não é o treinador quem escala os jogadores, o problema é mais embaixo. De acordo com informações, um empresário com muita influência no clube não permite que determinados jogadores saiam do time titular, o que força o treinador a escalar como pode e escalar os melhores fora de suas posições. É a única justificava para Zago inventar Cuesta na lateral e Ortiz de volante.

Talvez nossa falta de paciência esteja direcionada às pessoas erradas. Não defendendo o Zago – que se recusa a colocar em campo um dos melhores atacantes do elenco – mas estou apresentando para vocês a outra face do problema. Não adianta reclamar com o treinador se ele não tem tanto poder quanto achamos.

Reflitam.

 

Ler mais da Jéssica Loures

Ler mais do Internacional

Ler mais do Campeonato Gaúcho

A Bola que Pariu