VOLTAR

,

29.05.2017

Postado por Colaboradoras

Wanchope e ilusão estão de volta

Santos 0x1 Cruzeiro – R03 Campeonato Brasileiro 2017

Foi chegando a hora do jogo e a grande expectativa: o time não seria o mesmo que jogou contra o Sport, Mano já havia avisado que Rafinha seria poupado. Claro que o resultado importa, mas aqueles momentos de crise e tititi de incerteza da continuidade da comissão técnica já haviam ficado pra trás, a hora é de encontrar um futebol convincente para sonhar alto.

A escalação sai e, como esperávamos, trouxe mudanças. Ariel Cabral no lugar de Rafinha e Rafael Marques no lugar de Ábila, um meio-campo muito mais brigador e povoado! Com Romero mantido improvisado na lateral-direita, Mano foi Mano sem medo de ser feliz e o Cruzeiro foi de quatro volantes pro jogo.

Iniciou bem, fazendo valer a superlotação na meia cancha que ainda está longe do ideal, mas sem dúvidas mais quente do que na formação da rodada anterior. Cabral queima 8 milhões de línguas sempre que entra em campo. Gostaríamos de poder dizer que um cara com aquela lerdeza não pode jogar num clube como o Cruzeiro e que Mano tem fetiche pelos nossos volantes, mas a verdade é que eles têm sido sempre os melhores em campo.

Num primeiro tempo de defesa contra defesa fomos superiores, tivemos a posse de bola e buscamos o ataque, mas o ataque era burocrático, quase sempre com Diogo Barbosa e Alisson cruzando bem de trás para um desengonçado Rafa Marques cabecear sem maiores pretensões.

rafa marques

Acabou que a melhor chance foi do Santos, em contra-ataque puxado por Bruno Henrique.  Sorte nossa termos um Fábio esquecido pela CBF todos esses anos, não estaria aqui para salvar mais uma vez.

O segundo tempo começou mal, Dedé teve que ser substituído por Caicedo. Sentiu dores no joelho, mas não o mesmo da cirurgia. Dedos cruzados pra que não seja nada demais e que as deusas sejam amorosas, porque se depender do nosso DM…

Pra completar, aos 5 minutos, Arrascaeta sofreu falta criminosa de Copete e teve que ser substituído por Thiago Neves. Perdemos o nosso camisa 10 e o atacante santista seguiu bonitão no jogo. Léo fez falta em seguida e levou a mesma punição, foi duro ver os comentaristas da TV querendo comparar os dois lances…

O Cruzeiro sentiu a mudança, ficou pesado com apenas Alisson pra imprimir velocidade. Com 3 volantes, Rafa Marques e o lento TN30, começamos a passar sufoco.

Apenas depois da entrada de Ábila, no lugar de Hudson, o Cruzeiro começou a oferecer perigo no contra-ataque. Wanchope, o perna de pau mais amado do Brasil, que já vem com chope no nome, foi logo deixando Thiago Neves na cara do gol. No mano a mano com Vanderlei, o meia desperdiçou a chance mais clara de todo o jogo.

santos x cruzeiro Thiago Neves

Mas o meia ainda teve a chance de se redimir. Em mais um lance inspirado, Cabral enfiou linda bola em profundidade para Ábila. O camisa 9 abriu por trás do zagueiro, atravessou toda a grande área para receber, dominou, protegeu com categoria a bola e deu passe açucarado para Neves empurrar para dentro.

Falem o que quiser, mas que saudades que eu estava de ter um cabeçudo sortudo pra acreditar que tudo pode mudar, que de canela em canela a bola acaba entrando no gol. Desde Marcelo Moreno não tínhamos alguém assim!

santos x cruzeiro bilão

Depois foi só esperar o juizão acabar o jogo. Ele já vinha caseirando durante o primeiro tempo e fechou com chave de ouro no lance de Copete, além de marcar muito bem o contra-ataque, sempre mal posicionado!

O certo é que pra time fora do eixo ganhar a disputa por pontos corridos, tem que ser com foooolga. Como foram os nossos títulos e como mostra a história desde 2003. Se depender de um ou outro lance, a balança tende a pesar pro outro lado e ao longo das 38 rodadas isso faz toda a diferença.

Temos que criar mais, Rafa Marques ainda não fez por onde, mas o futuro promete. Não promete títulos, ainda estamos muito aquém no ataque, mas tem variações táticas, novas formações e mais futebol vindo por aí… é entrar firme contra a Chape na quinta-feira pra poder dizer: acabou sofrência!

 

Por Ana Clara do Coletivo RAP Feministas

Fotos de Marcello Zambrana/Cruzeiro

Ler mais do Cruzeiro

Ler mais do Campeonato Brasileiro

A Bola que Pariu