VOLTAR

,

11.05.2017

Postado por Roberta Pereira da Silva

O monopólio do Eu

Paysandu 1×3 Santos – Copa do Brasil 2017

Nós pessoas comuns

Que vivemos-do-trabalho

Nós que esperamos as quartas e Às vezes

As quintas-feiras

Ver o Nosso time na caixa colorida

Nós que temos orgulho em dizer

Nosso time

Enchemos a boca para dizer Nós!

Quando o time perde

Nós perdemos

E quando o time ganha a vitória

É nossa

Nós que agora temos que trabalhar

10–12h

Intermitentemente

Nós que gastamos 2h-3h para chegar ao trabalho

E não teremos essa horas computadas como

trabalho

Nós que teremos que trabalhar

45–49 anos para aposentar

E seremos massivamente terceirizados

E ontem

Nós não podemos assistir a partida entre

Paysandu e Santos

Nós, não vimos os dois gols de Bruno de Henrique

Perdemos as assistências de Vitor Bueno

Nós não vibramos com o Gol de

Kayke

Silenciaram nossas cornetas ao Kleber

que permitiu o gol dos Caras

Pois o canal monopolista do Eu

Não transmitiu a partida, nem no aberto

Nem no fechado

E que tempos são esses de imensos desertos

Que sobressai o Eu sobre o Nós

e

Que até o ópio nos é

Negado!!!

 Raimundo Pacco/FramePhoto/Gazeta Press

Raimundo Pacco/FramePhoto/Gazeta Press

Ler mais da Roberta Pereira da Silva

Ler mais do Santos

Ler mais da Copa do Brasil

A Bola que Pariu