VOLTAR

,

29.06.2017

Postado por Marcela Ferroni

Não somos patriotas, mas teve continência

Patriotas 1×1 Corinthians – 2ª Fase Copa Sul-Americana

Em meio à boa campanha no Campeonato Brasileiro, o jogo de ida da 2ª fase da Copa Sul-Americana, na Colômbia a 2800 metros de altitude, foi sem quatro titulares: Jadson, Jô e Maycon que nem viajaram, e Guilherme Arana, no banco de reservas. Nos seus lugares, Marquinhos Gabriel, Kazim, Camacho e Moisés.

()  SPO

Muitas opiniões e dúvidas a respeito de priorizar o Brasileirão, para o torcedor é complicado aceitar, uma vez que deseja ganhar todas as competições disputadas. Mas os jogadores já reclamam da sequência de jogos e começam a apresentar desgaste físico, o que preocupa frente a possibilidade de lesões. Priorizar uma em detrimento da outra não garante o êxito, mas em algum momento sabíamos que seria necessário, como para outras equipes.

O adversário da noite é um time novo, com uma torcida em formação, mas bem barulhenta e animada (teve até olé!). Ainda assim, se quisermos continuar na competição devemos tomar certos cuidados, afinal a Defensa faz parte do jogo y a Justicia pode surpreender.

Desde o início do jogo percebemos que as jogadas mais perigosas eram articuladas pela esquerda com Gómez e foi dele o primeiro gol, após reversão da jogada de um lado para outro do campo e chute que passou por dois jogadores do Corinthians mais o Cássio e foi para os fundos da rede.

Daí já começou o aborrecimento, embora tenha a pretensa prioridade no Brasileiro, perder não estava nos planos de ninguém, a série invicta poderia ser quebrada após 23 jogos.

O Corinthians padecia de criatividade na armação das jogadas, dos erros de passes e finalizações e encontrava uma defesa adversária bem postada. Se quiséssemos virar o jogo precisaríamos melhorar e muito no segundo tempo. Melhoramos, mas não o suficiente, criamos mais chances, cavamos faltas próximas da área e tivemos escanteios para cobrar que não foram revertidos em mudança no placar. O Patriotas, por seu lado, teve até bola na trave.

()  SPO

Os substitutos dos titulares não estavam bem; Marquinhos Gabriel não manteve a boa sequência, Moisés não marcou firme as jogadas nas laterais, Camacho foi mediano como todo o time e Kazim… melhor não comentar. Rodriguinho pós seleção não tem jogado metade do que estava quando foi convocado.

Quando tudo, exageradamente falando, parecia perdido, nosso capitão da vez, Balbuena, começou a jogada quase no meio da campo, passou para Fagner e já correu para receber na área e marcar o gol de empate de cabeça, nos acréscimos do jogo. Se não houve criação e efetividade, resolvemos na raça, numa inesperada jogada.

()  SPO

Respiramos aliviados, completamos 24 jogos e 101 dias sem perder, conseguimos um bom resultado diante da situação do jogo e podemos resolver a classificação em casa daqui um mês.

A prioridade é e tem que ser o Brasileiro, perder o jogo dos males seria o menor, mas torcedor é torcedor e queremos sempre vencer, assim esperamos pela vitória no jogo de volta para avançar na competição. E que o time que jogou contra o Grêmio volte a campo no domingo diante do Botafogo, pois o buscamos na Colômbia e não encontramos em meio à altitude, vuvuzelas, campo fofo e pesado…

 

Fotos de Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians

Ler mais da Marcela Ferroni

Ler mais do Corinthians

Ler mais da Copa Sul-Americana

A Bola que Pariu