VOLTAR

,

10.09.2017

Postado por Colaboradoras

Sem o mínimo de esperanças

Vasco 1 x 0 Grêmio – R23 Campeonato Brasileiro 2017

Nesse meu pequeníssimo tempo como setorista do Grêmio aqui no blog, sempre achei mais fácil escrever sobre as derrotas, muito mais chato, mas com certeza mais fácil. Não sei bem o por quê. Mas enquanto assistia o jogo de hoje e comecei a pensar sobre o que escrever, mudei de opinião. A coisa tem estado tão feia ultimamente que acho que o que posso fazer aqui hoje é só ser repetitiva. Mais um jogo horrível, que nos faz quase ter vontade de trocar pra um filme ao intervalo e não voltar mais.

Não sei em que universo paralelo o Renato vive, mas não é o mesmo que o meu. Aqui onde eu vivo, Léo Moura não é armador e nunca vai ser, colocar ele para fazer a do Luan é a pior ideia possível por dois motivos: 1. Ele não consegue fazer a função tática que o Luan faz, de ir lá atrás buscar a bola e armar o jogo. E 2. Léo Moura de armador é garantia de 90 minutos de Edílson em campo e já não existem xingamentos suficientes em meu vocabulário pra falar do Edílson.

vasco 1x0 grêmio - Wesley Santos agencia PressDigital1

Jogamos com três volantes e um lateral no meio campo. O que podíamos esperar disso não é muito diferente do que vimos, aquele toque-toque improdutivo, sem objetivo algum. Tirando as cobranças de falta, acho que não tivemos nenhum chute a gol no segundo tempo, a impressão que eu tive era a de que o time do Grêmio estava batendo uma bolinha pra matar tempo. Não parecia que queriam ganhar o jogo em nenhum momento.

vasco 1x0 grêmio - Wesley Santos agencia PressDigital3

Queria não sentir falta do Pedro Rocha, mas acho que não é possível. Ele faz falta e muita. Principalmente quando temos Fernandinho jogando no lugar dele, o que aparentemente é uma coisa que todo mundo, menos o Renato,  já conseguiu perceber: FERNANDINHO NÃO JOGA NADA NO LADO ESQUERDO.

vasco 1x0 grêmio - Wesley Santos agencia PressDigital2

O que acontece com o Ramiro ninguém sabe dizer, o jogador que era o motorzinho do time simplesmente não consegue mais jogar. Já lancei aqui a teoria de que o Edílson tem boa parte de culpa nisso, por sobrecarregar o Ramiro ali pela direita. Mas, sinceramente, não sei mais o que acontece.

Não vou nem comentar o efeito sobrenatural que ocorre em todo jogo, que é o Barrios sair de campo e todo mundo começar a chuveirar bola na área. Sendo que ele é o único centroavante do elenco que tem jogado e que não recebe uma bola na cabeça durante o jogo todo.

Futebol é dinâmico, eu sei. Mas nada me tira a sensação de que a fase boa do time do Grêmio já se foi.

Aos otimistas, sugiro que vão se preparando para quarta-feira. Ao que tudo indica, o ano acaba ali.

Saudades, 2016.

 

Fotos de Wesley Santos/Agência PressDigital

Por Camila Souza

Ler mais do Grêmio

Ler mais do Campeonato Brasileiro

A Bola que Pariu