VOLTAR

,

08.09.2017

Postado por Colaboradoras

Primeiro jogo decisivo do Flamengo rumo ao tetra

Flamengo 1 x 1 Cruzeiro – Final da Copa do Brasil 2017

Jogo decisivo é aquela velha história que sempre nos acompanha. É a ansiedade com o tempo, que insiste em não passar, e quando chega a hora vem junto a apreensão durante os 90 minutos. É olho no jogo e foco na prece. Flamengo x Cruzeiro, primeira partida da final da Copa do Brasil 2017 e um misto de emoções que só o futebol pode nos proporcionar.

O palco da primeira partida foi o Maracanã, casa lotada onde os rubro-negros se sentem à vontade, quem ousará dizer que não é a casa do Mengão? Parece mágica, feitos um para o outro, um caso de amor desses que ninguém consegue explicar. É templo, é sagrado. O lado mais triste dessa história é a ausência de parte da torcida, parte essencial, o povo. Povão mesmo, aquele que não tem condições de ser sócio torcedor pagando taxas mensais e muito menos de arcar com ingressos de 240 reais, que foi o valor mais barato para o público geral.

1

Com a bola rolando o Flamengo teve amplo domínio do jogo, ficou em cima, pressionou o adversário ao longo de toda a partida, mas foi pouco eficiente no último passe. Lucas Paquetá abriu o placar para entusiasmo da torcida, um gol da juventude, do centroavante improvisado, gol da base. É capa em todos lugares possíveis desse país: “Flamengo empata jogo em casa com gol impedido”. Sim! Estava impedido, na hora do gol foi uma confusão, no primeiro momento pareceu ter sido contra, depois tentaram achar uma ajeitada com o braço dentro da área e em seguida constataram impedimento.

2

O empate do Cruzeiro veio dos pés de Arrascaeta, após uma falha do goleiro Thiago. Sem requentar caldo para discussões sobre a titularidade entre Muralha e Thiago, acredito que apesar da falha, é indiscutível que no segundo jogo Thiago seja o titular. Assim como ele mesmo disse após a partida, assumindo a falha, que já pensa no próximo e é seguir de cabeça erguida.

E o segundo confronto já tem data, dia 27 de setembro, no Mineirão. Até lá serão 20 dias de ansiedade e não se falará em outra coisa, não se pensará em outra coisa. Tudo e absolutamente tudo nos ligará ao Flamengo, à final e ao tetra. Na roda de amigos, em casa, no trabalho… quando o Flamengo chega em uma final é difícil controlar a ansiedade, até mesmo para os rivais. É compreensível.

Sabem aquele famoso lema, contra tudo e contra todos?! Teremos mais 90 minutos pela frente, além de um reforço de peso: pode avisar que Paolo Guerrero vai chegar na final e avisa também que cada rubro-negra e rubro-negro em cada canto do mundo estará junto com o Flamengo, pronto para soltar o grito de “É tetra!” se Zico quiser. E ele há de querer.

Prepara a vela, acende, invoca São Judas Tadeu, faz a promessa e confia. Que os 11 em campo joguem e lutem por nós! Somos gigantes!

3

Saudações rubro-negras!

 

Por Jaqueliny Botelho

Fotos de Gilvan Souza/Flamengo

Ler mais da Copa do Brasil

A Bola que Pariu