VOLTAR

,

10.11.2017

Postado por Marina de Mattos Dantas

Bastou um maluquinho…

Atlético 3 x 2 Atlético Goianiense – R33 Campeonato Brasileiro 2017

Faltou tudo ao time do Galo nesse ano. Direção, entrosamento, treinamento, vontade, carinho da torcida, etc. Um time de estrelas cadentes carentes, promessas que ficaram na promessa, buscando motivação para enfrentar uma carreira que vai chegando ao seu limite a cada ano que passa.

Foto de Bruno Cantini

Foto de Bruno Cantini

O lanterna da competição, quase azarão, que não ganha um jogo há mais de seis rodadas, parecia que desencantaria no Horto, palco de algumas alegrias e tantos reveses para o Galo esse ano. Dessa maneira, o goianiense abriu o placar logo nos primeiros minutos da partida. Em seguida, o Galo empatou com o pênalti convertido por Fábio Santos, que vem se consolidando como o homem-gol do Atlético, a despeito do seu péssimo início de temporada. Ainda no primeiro tempo, Andrigo jogou um balde de água fria nas arquibancadas, colocando o Dragão na frente novamente.

Foto de Bruno Cantini

Foto de Bruno Cantini

O Atlético voltou para o segundo tempo bem mais esperto do que na primeira etapa da partida, com Luan no lugar de Cazares. Marcos Rocha cobrou um arremesso lateral e Luan, em uma espécie de maluquice a sua moda, incendiou o Independência com um gol de cabeça descolado, com muita liberdade, na área adversária. Era esse o ingrediente necessário para mudar a história da partida.

Foto de Pedro Souza

Foto de Pedro Souza

Não há no time do Atlético, hoje, quem faça Fred parecer menos desconectado do meio de campo do que Luan. E, aos 20 minutos, vimos o resultado disso através da virada com o gol do centroavante. Daí para frente só restou ao goianiense apelar para os chutões.

Foto de Bruno Cantini

Foto de Bruno Cantini

Bastou um maluquinho para mudar o clima, mostrando que a alegria é um componente importante para ganhar o jogo, sim. Fez Fred virar técnico dentro de campo, Robinho ensaiar uns dribles de confiança e esse time, minimamente, funcionar. Um jogo ganho puramente na alegria, na maluquice, na paixão, para remediar a depressão na qual se afundou esse time esse ano.

Esse jogo foi mais uma mostra de que o Atlético precisa, antes de tudo, provar-se a si mesmo para sair desse marasmo que arrasta com o peso do seu time. Os títulos são consequências, o que os atleticanos a atleticanas precisam, nesse momento, é de mais alegria!

Ler mais da Marina de Mattos Dantas

Ler mais do Atlético Mineiro

Ler mais do Campeonato Brasileiro

A Bola que Pariu