VOLTAR

,

15.12.2017

Postado por Colaboradoras

Mais uma frustação

Flamengo 1 x 1 Independiente – Final Copa Sul-Americana 2017

Geraldinos. Fonte: Extra

Geraldinos. Fonte: Extra

E eu não me escondo.

Enfim acabou o 2017 para o Flamengo; e da pior forma possível, perdendo a chance de conquistar um título inédito e internacional. Futebol contém ingredientes especiais favoráveis a um ou a outro, e um exemplo disso foi a partida contra o Independiente: jogando em casa com amplo apoio da torcida e exatamente na data que o clube comemorava 36 anos da conquista do título Mundial de 1981. Quase todos os ingredientes eram favoráveis ao Flamengo, mas deu zebra.

Esse ano foi um verdadeiro banho de água fria. Perder a Sula talvez tenha doído menos do que ser eliminado na fase de grupos da Libertadores; e nem digo pela questão da liberta ser um campeonato de maior impacto, mas no sentido que foi a nossa primeira frustação de um ano esperançoso. Parece que no fim do ano já estávamos vacinados e isso é péssimo, não pode virar cultural. Não é do DNA do rubro-negro ser um time que acumula fracassos, apesar dos recentes vexames.

E se faltava algo para piorar… as cenas de tumulto dentro e fora do Maracanã na final são as imagens que permeiam o mundo esportivo. Polícia culpa Flamengo e Flamengo culpa polícia, o rubro-negro pode ser punido pela Confederação Sul-Americana de Futebol.

Desde o fim do jogo acompanhei vários discursos de diversas pessoas sobre o retrospecto do ano, uns argumentavam que já tivemos anos piores e que como ponto positivo conseguimos chegar em finais. Já outros diziam que o ano foi todo um fracasso com apenas a conquista do FERJÃO e que chegar na final não é título. Entre os dois argumentos, fico os dois. Com investimento surreal não dá para aceitar o desempenho apresentado, eliminação precoce, rendimento muito abaixo no Brasileiro e dois títulos não conquistados. E sim, concordo que já tivemos anos piores… quem não lembra de 2005? Mas conformismo não!

Me incomoda nesse time o discurso sem ação, espertos, eles sabem que a torcida adora ver os jogadores dizendo palavras de luta e exaltando a grandeza do clube, porque aí passa a imagem fictícia de que eles incorporaram o espírito rubro-negro. Em tempos de marketing pessoal, fomos seduzidos e enganados pela venda da imagem algumas vezes, garotos propaganda que na hora do vamos ver se amedrontaram e sumiram em campo. Nem tão homões assim, né?

E isso não é um argumento para endemoniar um ou outro jogador, em geral, o elenco atuou muito abaixo do esperado. Serve mais como atenção para o próximo ano, vamos evitar cair no erro de atirar pedra em uns e aceitar as falhas de outros que têm como principal ferramenta o marketing pessoal em dia, cobrança a todos!

Foi ruim e não foi só no campo, esse ano também escrachou a forma como a atual diretoria trata o torcedor, escrachou a elitização que ficou nítida com a exclusão de torcedores de baixa renda dos estádios e escrachou o pavio curto do presidente para com a torcida, retrucando ofensas e distribuindo bananas. Lembrando que 2018 é ano de eleições, títulos certamente serão a promessa de todas as chapas, inclusive do Bandeira. Espero que não se esqueçam mais uma vez do torcedor e arrumem meios para barrar a elitização. Que tenhamos os torcedores deixados a margem, de volta para as arquibancadas.

Reprodução

Reprodução

Para 2018 é esperado o mínimo de planejamento no futebol e a famosa barca para desafogar o elenco repleto de opções que eu nem sei se podem ser chamadas de opções. Depois desse ano de contratações caras que pouco deram resultado, penso que seria melhor optar pelos jogadores da base no time principal e não cair mais uma vez no erro de sair vendendo os garotos, assim como fizeram com Jorge mesmo sabendo que as laterais eram problemáticas.

Em dezembro já acontece o sorteio da Libertadores 2018 e o rubro-negro em dívida com a torcida tem por obrigação fazer um 2018 bem melhor. Eu não me escondo e também não me iludo (mentira, me iludo sim) precisamos de mudanças para ontem, já estamos atrasados em questão de planejamento. E que venha a fase de compras – uma das mais agoniantes – vai e vem a cada minuto e que o Flamengo saiba comprar e vender. Sem moleza, desejo uma pré-temporada bem intensa e que diferente de 2017 os reforços não cheguem com o bonde andando, não vai errar de novo, Flamengo.

Ufa! Saudações rubro-negras!

Por Jaqueliny Botelho

Ler mais da Copa Sul-Americana

A Bola que Pariu