VOLTAR

11.12.2017

Postado por Colaboradoras

Na final do Gauchão, o Futebol Feminino é o campeão

Sábado, 09 de dezembro de 2017. Um dia para guardar na memória. Uma data para ficar na história.

Lucas Collar/Sport Club Internacional

Lucas Collar/Sport Club Internacional

O jogo dos sonhos das 400 atletas que participaram do Campeonato Gaúcho de Futebol Feminino foi digno, emocionante e decidido nos detalhes. Jogando no estádio Beira-Rio, com a presença de cinco mil torcedores, a dupla Grenal mostrou a que veio. Teve gol, jogada de efeito, pênalti e muita festa das Gurias Coloradas no final do confronto. Deu Inter dentro e fora de campo. Levantou o troféu a equipe que estava melhor preparada, não o melhor time. Mas engana-se quem acha que as Gurias Coloradas foram as grandes vencedoras, no final, quem mais comemorou foi o futebol feminino gaúcho.

Os trezentos gremistas presentes no Beira Rio viram o Grêmio entrar com a segurança de depender de um empate para ser campeão e com mudança na escalação: saiu Tefa, autora do segundo gol na vitória por 2 a 0 na primeira partida, entrou Tabata, para reforçar a marcação gremista. O Inter, que precisava ganhar por qualquer placar para levar a disputa para as penalidades, já que o saldo de gols não era critério de desempate, começou com um time mais ofensivo. A comandante Tatiele Silveira trocou uma Paloma por outra, concertando o erro do jogo anterior, quando a artilheira da equipe, Paloma Merlo, iniciou no banco, dando lugar para a meio-campista Paloma Castro.

Ansiosas para gritar “Sou Campeã Gaúcha”, as 22 jogadoras entraram nervosas. Para muitas, era a carreira profissional que estava em jogo. Logo no início do confronto, Paloma Merlo é derrubada na área: pênalti. Nada foi marcado. Em seguida, após um erro na frente da área colorada, da capitã da equipe, Gabriela Luizelli, Shasha recuperou a bola para o Grêmio, enfiou para a Karina marcar o seu 34º tento no Gauchão e abrir o placar para o Tricolor, aos 10 minutos. Aos 14, Gabriela Luizelli, recuperando-se da falha anterior, empatou a partida, após a cobrança de escanteio de Byanca.

Lucas Collar/Sport Club Internacional

Lucas Collar/Sport Club Internacional

Tudo igual no marcador, mas o título ainda ia para o atual campeão da América. As Gurias Coloradas precisavam de mais um gol e foram em busca dele, mas o Grêmio não queria entregar a partida. Resultado: jogo truncado no meio de campo, com chances para as duas equipes, mas poucas levando perigo às redes adversárias.

Enquanto isso, teve espetáculo: balãozinho da atacante gremista Luana, respondido pelas coloradas com lambreta e elástico de Byanca, chapéuzinho da Mylena, rolinho da Rosana e pedalada da Georgia. Quando tudo parecia estar resolvido no primeiro tempo, veio o segundo gol do Inter, aos 45 minutos. A “pequena” Mylena, livre na área, cabeceou e virou o placar, após cruzamento de Byanca, praticamente sem ângulo, pelo lado esquerdo do campo.

Definição

Sem mudanças nas equipes no intervalo, a dupla Grenal manteve o nível da etapa inicial, com alguns momentos de congestionamento nas laterais do campo. O placar levava a disputada para os pênaltis. O Grêmio queria marcar para garantir o título. Não foi efetivo. Debaixo de um sol de 30º e com muitas paradas para atendimento médico e substituições, os torcedores viram um Inter que ia pra cima com Byanca, Paloma Merlo e Mylena e uma defesa reforçada com a presença da Rosana, que estava como armadora no primeiro tempo. A comandante Tatiele Silveira fez algumas alterações no time para garantir a vitória, colocando Thais Marques, Dani Zanolla, Gabi Costa, Leticia Sanchez e a goleira Fernanda, visando os pênaltis.

A treinadora gremista, Patricia Gusmão, também substituiu algumas jogadoras. Entraram Jéssica Alves, Beta, Rafa Antieta, Tefa e Carlinha, mas sem muitos resultados. O ataque de ouro, formado por Karina, Luana e Shasha, não conseguia ultrapassar a zaga colorada. A partida se encaminhava para as penalidades quando, aos 42 minutos, Leticia Sanchez deixou o dela de cabeça e sacramentou o placar: 3 a 1 Inter. O cruzamento veio, novamente, dos pés de Byanca, em uma cobrança de falta perto da área. Fim de jogo.

Penâltis

Os dois times abraçados, rezaram e escolheram as cobradoras: Karina, Luana, Rafa Antieta, Tefa e Dani para o Tricolor; Rosana, Thais Marques, Mylena, Renata Costa e Byanca para as coloradas. As arqueiras já estavam definidas: a titularissíma Carol Aquino pelo Grêmio e Fernanda, que entrou nos minutos finais com a missão de fechar o gol colorado.

Começou.

Grêmio cobrou o primeiro e Karina parou nas mãos de Fernanda. Rosana, com toda a experiência, colocou no canto inferior esquerdo. Luana perdeu, Fernanda defendeu. Thais Marques deixou o dela. Placar: 2 a 0 para o Inter. Rafa Antieta seguiu o caminho de Thais e marcou para o Tricolor. Mylena carimbou o travessão. 2 a 1. Tefa chutou e parou nas mãos de Fernanda. Renata Costa cobrou bem, mas com uma bela defesa, Carol Aquino evitou a comemoração colorada. Mas ela veio na sequência: Dani chutou para fora e as Gurias correram para o abraço, com o marcador apontando 2 a 1 para as coloradas. Choro dos dois lados.

Inter Campeão Gaúcho 2017

Lucas Collar/Sport Club Internacional

Lucas Collar/Sport Club Internacional

Premiou-se um trabalho de planejamento a longo prazo, investimento nas categorias de base e políticas de incentivo à modalidade. No Inter, o Departamento de Futebol Feminino está veiculado à vice-presidência de Relacionamento Social, é comandado por uma mulher, a ex-jogadora Duda Luizelli, e possui os próprios meios de divulgação com assessoria própria e as redes sociais das Gurias Coloradas.

Já o Grêmio, que reforçou o time após o rebaixamento no Campeonato Brasileiro, tem a melhor equipe do Rio Grande do Sul, na minha opinião. Melhor defesa, melhor ataque e melhor coletivo. No entanto, não há um respaldo muito grande dos gestores gremistas. As informações sobre a equipe praticamente não são divulgadas e o responsável pelo futebol feminino é o ex-jogador Yura. Nada contra ele, mas contra o fato de o futebol feminino ser gerido por homens que não possuem conhecimento sobre a modalidade.

No final, quem mais ganhou foi o futebol feminino gaúcho

Foi uma grande festa, um grande jogo, acompanhado por muitos torcedores e por alguns veículos de comunicação, assim como aconteceu no CT Hélio Dourado, na primeira partida. Uma final para homenagear o esforço dos 13 clubes que participaram do campeonato, principalmente, os 11 times do interior que fizeram com que o Gauchão conseguisse chegar a sua vigésima edição: Black Show, João Emílio, Guarani, Mundo Novo, Ijuí, Rio Grande, Sapucaiense, Estrela, Palestra, Oriente e Santaritense.

O futebol feminino agradece!

 

Por Cleunice Schlee

Ler mais sobre o Futebol Feminino

A Bola que Pariu