VOLTAR

,

19.03.2018

Postado por Marcela Ferroni

O jogo do Bragantino

Bragantino 3 X 2 Corinthians – Quartas-de-final Campeonato Paulista 2018

Os times em campo ontem tinham propostas de jogo bastante parecidas; segurança defensiva e aposta nos contra-ataques, mas quem conseguiu efetivamente cumprir com isso foi o mandante e assim o Corinthians amargou sua primeira derrota em mata-mata da era Carille.

O Bragantino veio bastante fechado na defesa e quando não conseguia parar as jogadas do Timão na marcação, apelava para as faltas. Já o Corinthians, não ficava muito tempo com a bola para propor o jogo, o setor de criação mais uma vez foi ineficiente, Jadson tem feito muita falta e o sistema 4-2-4 requer que os jogadores mais ofensivos busquem a bola e proponham o jogo. Com os mais de 30º de ontem e os quase 40 anos de Sheik, a situação complicou, principalmente porque ele e Rodriguinho receberam marcação individual.

Assim, nos minutos finais do primeiro tempo saiu o gol do Bragantino em cobrança de escanteio. Na volta do intervalo, Pedrinho entrou na vaga de Clayson, que não rendeu o esperado, e o time precisou se expor ainda mais aos contra-ataques adversários para tentar reverter o placar adverso.

Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Conseguimos o empate com nosso xerife Balbuena, que nunca desaponta, tem raça e garra incomparáveis nesse time, não se conforma com empates ou derrotas, sempre tentado auxiliar, inclusive o ataque, chegando como elemento surpresa.

Mas Ítalo entrou no time de Bragança para incendiar o jogo, fez toda a jogada do segundo gol em cima de Mantuan, para nos lembrar como sofreremos sem Fagner (convocado para os amistosos da Seleção Brasileira), e ainda marcou o terceiro em novo escanteio e após rebote de Cássio.

Daniel Vorley/AGIF

Daniel Vorley/AGIF

No fim do jogo o Corinthians exerceu uma forte pressão sobre o adversário, situação que poderia ter acontecido desde o início e não só frente à iminente derrota, e Pedrinho descontou em belo chute de fora da área, evitando o pior.

O que fica desse jogo: mais uma vez sofremos gols em lances de bola parada, já sabemos dessa deficiência há tempos, porém o saber e os treinos exaustivos da véspera não nos livraram desse mal. A outra é que Cássio sempre rebate as bolas para dentro da área e nunca para as laterais, essa condição e suas saídas desastradas do gol também merecem uma atenção especial. Hello, Carille e comissão técnica, preparador de goleiros…

Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Nos seis últimos jogos tomamos apenas um gol e nesse sofremos três! Foi para arrebentar e nos deixar com uma ruga profunda na testa aguardando pelo jogo de volta, na próxima quinta-feira (22/03). Não podemos aliar a falta de poderio ofensivo a uma defesa ineficiente, isso não.

Para o próximo jogo sabemos que a vantagem do empate é do Bragantino e que virão ainda mais fechados e apostando em uma bola para “matar” o jogo e ser a “zebra” da vez. Se for em lance de bola parada, melhor ainda. Precisaremos de criação e jogadas ofensivas eficientes (ainda sem o centroavante tão famigerado) para vencer por dois gols ou mais de diferença e nos classificarmos, já que a vantagem por um tento nos leva à decisão por penalidades.

Aguardemos com os corações alvinegros preocupados, mas sempre dispostos a empurrar o time como o 12º jogador das arquibancadas.

 

Ler mais da Marcela Ferroni

Ler mais do Corinthians

Ler mais do Campeonato Paulista

A Bola que Pariu