Elenco

Sem-Título-3

Alessandra Salgueiro
Palmeirense emotiva e verde até os ossos, Alessandra joga no meio de campo. Apazigua os ânimos das companheiras com sua visão mais experiente da vida. Digo, do jogo. Da várzea ao mais fino futebol europeu, ela consome o noticiário futebolístico tanto ou mais do que cerveja. Profunda conhecedora dos personagens do esporte, ela se inspira nos craques de antigamente para manter sua paixão no nosso maltratado futebol moderno.

02 Raisa Rocha

Raisa Rocha
Gremista fanática e de sangue azul, Raisa joga no ataque. Com um certo descompasso emocional, às vezes complica o time com opiniões desmedidas. O estilo passional de viver o esporte acaba por atormentar ou comover os que estão por perto. No melhor estilo gaúcho e borracho de ser, afoga suas lágrimas e alegrias em intensas gotas de cerveja a cada jogo do seu tricolor. Crente de que sua função no time é mudar o mundo a partir do futebol, a boleira jura que o jogo imita a arte que imita a vida.

foto-jessica

Jéssica Mendes
São-paulina de coração, Jéssica faz um jogo tranquilo, na observação, mas sem abrir mão da energia para uma boa atuação. Apaixonada pelo tricolor desde pequena, ela e sua família não perdem um jogo do SPFC pela TV e de vez em quando dão as caras na casa tricolor, Morumba – para os mais íntimos. Influenciada pela sua mãe a gostar de futebol e acompanhar (e amar) o São Paulo, para ela, futebol é coisa de mulher sim senhor!

11 Letícia 2

Letícia Carolinne
Desde muito nova aprendeu uma certeza na vida: não importa quantos amores por ela passassem, o quanto a alegrariam e a trouxessem dor, o Cruzeiro seria o único que a acompanharia por toda a vida. Nascida, vivida e crescida dentro da Toca, da sede e do Mineirão; desde a saudosa Geral até a moderna arquibancada; respira o futebol e tudo que o norteia a encanta. Joga pelo ataque, como a maioria de suas grandes inspirações dentro das quatro linhas, e carrega consigo o encanto por todos aqueles que honraram a camisa 5 estrelas. Seus olhos jamais brilharão tão intensamente por qualquer outra coisa que não seja a história, os trunfos e batalhas do Cruzeiro, já que esse a ajudou em sua educação e formação, mas principalmente em sua paixão pelo futebol!

012 Patrícia Muniz2

Patrícia Muniz
A representante alvinegra das terras alterosas joga no ataque: as atleticanas feministas estão chegando. Patrícia não nasceu no berço do futebol, foi criada acreditando que isso não era para meninas, mas essa paixão não tem gênero, nasceu com ela e o sangue alvinegro que corre em suas veias pulsou mais alto que as barreiras da sociedade patriarcal. Eterna apaixonada pelo Atlético Mineiro, seu lugar preferido no mundo é onde o Galão da Massa estiver jogando e ela luta diariamente para que sua presença nos estádios seja respeitada. Sempre faz de tudo para torcer e apoiar seu time, porque, “se houver uma camisa preta e branca pendurada no varal durante uma tempestade, o atleticano torce contra o vento”.

012 Patrícia Muniz2

Caroline Araujo
Palmeirense fanática desde a infância, Caroline prefere não definir sua posição dentro das quatro linhas, joga aonde for necessário. Corre para o ataque e para o abraço sempre que o Verdão entra em campo e defende com unhas e dentes o time que ama desde os cinco anos de idade. Carol é dessas que desmarca o que for na hora do jogo do Palmeiras, que vai para o bar sozinha assistir às partidas e que tenta traduzir em palavras o amor que carrega. Sofre, sorri e se apaixona, todos os dias, pelo Palmeiras! Ser palmeirense é indizível… e basta!

012 Patrícia Muniz2

Jéssica Loures
Num dia tu não gosta de futebol e no outro, se apaixona por ele. Se apaixona por um vermelho vibrante, cor de sangue, cor de raça e de amor. Naquele dia em que tu se apaixona, nada separa. Não nasci colorada, mas me tornei uma das mais apaixonadas. Mesmo morando em Minas Gerais, meu coração no Beira-Rio está, vibrando, torcendo, vivendo essa loucura que é ser do Internacional. Basta sentir o peso da camisa e o grito de apoio incondicional da torcida mais bonita do Brasil. Estaremos contigo, tu és minha paixão.

012 Patrícia Muniz2

Ana Clara Costa Amaral
Cruzeirense de ruim, Ana Clara veste a 5 e é frenética na volância – arma e desarma, corre, fura, mata todo mundo de raiva. Mas ninguém contesta o amor da camisa 5 quando bem representada. Desde as idas clandestinas ao Mineirão aos 10 anos de idade e até hoje, ela quer vitória dentro e fora de campo. Gosta de aprender e escrever sobre a história e disputas políticas do clube, mas só se for pra melhorar. É membro da Resistência Azul Popular e do Coletivo RAP Feministas, adepta do tropeiro zoiúdo, filiada à corrente da gema mole.

012 Patrícia Muniz2

Marcela Ferroni
Corinthiana desde criancinha, por influência e incentivo do paizão, alvinegra de carteirinha gosta de tudo preto no branco. Fanática na torcida, realista nas análises, não se contamina com o clima do “já ganhou” independente do resultado, afinal, “o jogo só termina quando acaba”. Sem criatividade suficiente para meia e com força para a marcação, vem para ser a volante desse time, chegando por vezes como elemento surpresa ao ataque. Parafraseando o “filósofo” da democracia, Sócrates, “o Corinthians não é só um time e uma torcida. É um estado de espírito.” E é desse estado de espírito que compartilha com uma nação.

012 Patrícia Muniz2

Roberta Pereira da Silva
Sou eu Roberta, para alguns do Recife, para outros Miranda, para mim, sou Roberta franzina, de olhos atentos de jabuticaba, uma pessoa que prefere ser louca e acreditar na vida e na mudança, uma pessoa que tenta ver poesia no futebol e que entre uma linha e outra desfruta do direito ao grito. Santista, ocupante da Vila e do Pacaembu. Torcedora que sonha com uma arquibancada livre e com um mundo sem opressões.

012 Patrícia Muniz2

Marina de Mattos Dantas
Efusivamente atleticana e moderadamente corneteira, apaixonada por estádios, nutre um apreço especial pelo Galo Doido. Na vida, atua pela lateral esquerda, ligeiramente melhor no ataque do que na defesa, adicionando imprevisibilidade ao jogo. Além do Galo, acompanha o que pode dos campeonatos argentino, uruguaio e capixaba. Não dispensa as boas amizades e as boas músicas, principalmente o bom e velho (alguns dizem que morto) punk rock. É produtora e comentarista do Programa Óbvio Ululante na Rádio UFMG Educativa e seus direitos federativos encontram-se no Grupo de Estudos sobre Futebol e Torcidas (GEFuT/UFMG), onde é pesquisadora e se dedica aos estudos sobre o futebol na área das Ciências Humanas e Sociais.

Sobre Nós // Nossa Identidade // Parceiros